Terceiro Quadro Comunitário de Apoio - Homepage ALT + H

Inserir Palavra Chave ALT + A ALT + B
In English ALT + C | Contactos ALT + D | Links ALT + E | Mapa do Sítio ALT + F


Espaço
DGDR
Informação Geral
QUAR
Contactos


Fundos Estruturais
Estrutura e Âmbito de Intervenção
FEDER
FSE
FEOGA
IFOP
2007-2013


Política de Concorrência na EU
Informação Geral
Enquad. dos Auxílios do Estado
Registo de Minimis Notícias e Publicações
Legislação


QCA/ Programas Operacionais

QCA
Anteriores QCA

QCA III
Texto Integral
Estrutura e Âmbito de Intervenção
Gestão e Acompanhamento
Avaliação
Controlo
Execução Financeira

Programas Operacionais
Educação
Emprego, Formação e Des. Social
Ciência e Inovação 2010
Sociedade do Conhecimento
Saúde - Saúde XXI
Cultura
Modernização da Administração Pública
Agricultura e Desenvolvimento Rural
Pesca
Economia - Prime
Acessibilidades e Transportes
Ambiente
Regional Norte
Regional Centro
Regional Lisboa e Vale do Tejo
Regional Alentejo
Regional Algarve
Regional Açores
Regional Madeira
Assistência Técnica e Financeira

Sistemas de Incentivos
Sistemas de Incentivo no QCA III
Por Sector de Actividade


Fundo de Coesão
Fundo de Coesão I

Fundo de Coesão II
Objectivos e Âmbito de Intervenção
Estratégia de Intervenção
Aprovação de Candidaturas
Acompanhamento de Execução
Projectos Aprovados
Legislação
Publicações
Contactos


Iniciativas Comunitárias
1994/1999

2000/2006
Estrutura e Âmbito de Intervenção
INTERREG III
URBAN
LEADER
EQUAL


Legislação
Legislação Base
Pesquisa

Publicações
Últimas Publicações
Catálogo
Contacto
Pedido de Publicações


Notícias
Últimas Notícias
Arquivo
Pesquisa


Informação e Publicidade
Regras de Informação e Publicidade
Logótipos para Download



Glossário

AGRO Espaço
AGRO
Espaço
Espaço

  Espaço
Texto Integral e Complemento de Programação | Relatórios | Contactos
Linha
  Espaço  

Quadrado Espaço Objectivos
  Espaço Linha
Espaço Espaço

O Programa Operacional da Agricultura e Desenvolvimento Rural, vulgarmente designado de PO AGRO, enquadra-se no grande objectivo da estratégia do desenvolvimento agrícola e rural: incentivar uma sólida aliança entre a agricultura, enquanto actividade moderna e competitiva, e o desenvolvimento sustentável dos territórios rurais nas vertentes ambiental, económica e social.

A concretização deste objectivo integra os seguintes objectivos específicos:
  • Reforço da competitividade económica das actividades e fileiras produtivas agro-florestais, salvaguardando os valores ambientais e a coesão económica e social.
  • Incentivo à multifuncionalidade das explorações agrícolas, compensando-as pela prestação de serviços de carácter agro-ambiental ou outros de interesse colectivo, e contribuindo assim para a sua diversificação interna e viabilidade económica.
  • Promoção da qualidade e da inovação da produção agro-florestal e agro-rural, com vista a obter um crescimento sustentado da produtividade e a responder eficazmente às novas exigências dos consumidores em matéria de qualidade e de segurança alimentar.
  • Valorização do potencial específico dos diversos territórios rurais e apoio ao seu desenvolvimento e diversificação económica.
  • Melhoria das condições de vida e de trabalho dos agricultores e das populações rurais, através do seu rejuvenescimento e qualificação, da promoção do emprego, da igualdade de oportunidades, da defesa dos rendimentos e da garantia de acesso aos recursos e serviços essenciais ao desenvolvimento humano.
  • Reforço da organização, associação e iniciativa dos agricultores, nas vertentes socioeconómica e socioprofissional e dos demais agentes do desenvolvimento rural, considerando-os protagonistas e parceiros de primeira importância na definição e concretização da nova estratégia de desenvolvimento.

Reprogramações e Avaliação Intercalar do PO Agro:


O Programa Operacional da Agricultura e Desenvolvimento Rural, já teve 5 reprogramações financeiras.

A Decisão Inicial da aprovação da Comissão Europeia relativa a este Programa Operacional, data de 30 de Outubro de 2000 Decisão C(2000) 2878.

No período 2000-2002 foi aprovada a 1ª reprogramação financeira ;Decisão C(2002) 167 de 29 de Janeiro. Nesta reprogramação considerou-se o seguinte:
  • No âmbito da medida "Modernização, reconversão e diversificação dos investimentos nas explorações" criou-se uma excepção para os investimentos nas novas plantações de vinhas. Estas alterações foram aprovadas na sua versão final em Novembro de 2001, nos termos do nº3 2º parágrafo, 1º travessão, do artigo 37º do Regulamento (CE) nº 1257/1999.
  • Apresentado à Comissão, um pedido com vista a incluir no programa operacional uma descrição dos regimes de ajuda aplicados no âmbito da medida 7 "Formação Profissional".
A 2ª reprogramação deste programa operacional pretendia reforçar a dotação Feoga-O do ano de 2002 em 7.500 milhões de euros para a medida "Modernização, reconversão e diversificação dos investimentos nas explorações"; através da Decisão C(2003)189 de 10 de Março. No entanto, mais tarde a Comissão Europeia não autorizou este procedimento, por não ser possível proceder em 2003 a alterações das dotações orçamentais para 2002, por isso este montante foi incluído na dotação relativa ao ano de 2003.

A Decisão C(2003)2664 de 16 de Julho de 2003, aprova a 3ª reprogramação, que refere o seguinte:
  • o já anteriormente mencionado reforço da dotação Feoga-O incluído na dotação relativa ao ano 2003.
  • Modificação do anexo III do programa relativo às "restrições sectoriais aos investimentos com vista a assegurar o escoamento normal no mercado".
  • Modificação dos quadros financeiros, nomeadamente no que diz respeito à componente privada da medida 6 "Engenharia Financeira" e da medida 9 "Infraestruturas formativas e tecnológicas".
A 4ª reprogramação, Decisão C(2003) 4527 de 27 de Novembro 2003 visou através da medida "Prevenção e Restabelecimento do Potencial de Produção Agrícola" o reforço da dotação FEOGA do ano 2003 em 15.000.000euros, dos quais 5.000.000 por compensação interna da medida "Modernização, Reconversão e Diversificação das Explorações Agrícolas e os restantes 10.000.000 euros provenientes dos P. O. Regionais Norte, Centro e Alentejo.

A última decisão relativa à reprogramação do PO Agro, decorreu do exercício de Avaliação Intercalar e foi tomada pela CE no transacto mês de Dezembro e das primeiras a ser aprovada; Decisão C (2004) 4780 de 3 de Dezembro, a 5ª reprogramação financeira deste PO.

Através desta reprogramação foram incorporados no PO AGRO 105,8 milhões de euros de fundos provenientes das Reservas de Eficiência (45,3 milhões de euros) e de Programação (60,5 milhões de euros), ascendendo a dotação global dos fundos comunitários a cerca de 1,4 mil milhões de euros, e envolvendo um custo total de praticamente 4 mil milhões de euros.

A Região Lisboa e Vale do Tejo foi reforçada em 20,3 milhões de euros.

A afectação das Reservas foi feita considerando globalmente a génese e razão de ser de cada uma:
  • a Reserva de Eficiência privilegiou as medidas mais eficientes do Programa, designadamente a medida "Modernização, Reconversão e Diversificação das Explorações" do Eixo 1, que foi reforçada em 41,3 milhões de euros, dado o ritmo de execução e nível de compromissos atingidos, tendo sido introduzida uma nova acção piloto que pretende alargar o quadro de condições para instalação de novos agricultores no sector, nomeadamente jovens.
    No Eixo 2, a Medida "Desenvolvimento Tecnológico e Demonstração" beneficiou dos restantes 4 milhões de euros da RE, por razões ligadas à necessidade de meios financeiros adicionais para o lançamento de novos convites no quadro das recomendações da Avaliação Intercalar.
  • A Reserva de Programação foi totalmente utilizada no Eixo 1, assumindo especial importância a reposição do capital produtivo afectado por catástrofes - reforço da medida "Desenvolvimento Sustentável das Florestas" em 33 milhões de euros, e da medida "Prevenção e Restabelecimento do Potencial de Produção Agrícola" em 20 milhões de euros - tendo em vista fazer face às consequências dos incêndios de 2003 sobre a floresta e explorações agrícolas.
    Foi ainda reforçada a medida "Modernização, Reconversão e Diversificação das Explorações" em 7,5 milhões de euros, para compensação do esforço financeiro que tinha sido alocado à medida "Prevenção e Restabelecimento do Potencial de Produção Agrícola".
A reprogramação contemplou ainda as seguintes movimentações:
  • uma reafectação de 4,5 milhões de euros FEOGA, proveniente equitativamente dos PO Regionais Norte, Centro e Alentejo, tendo em vista repor parte da dotação que a medida "Modernização, Reconversão e Diversificação das Explorações" tinha alocado à medida "Prevenção e Restabelecimento do Potencial de Produção Agrícola";
  • uma transferência interna de 3,5 milhões de euros da dotação FEDER para a dotação FSE, visando o reforço de formação de quadros técnicos e dirigentes bem como de formadores para áreas decisivas da competitividade.

Topo



Quadrado Espaço Estrutura
  Espaço Linha
Espaço Espaço

O Programa encontra-se estruturado em dois eixos prioritários e 10 medidas de intervenção.


Eixo 1
Melhorar a competitividade agro-florestal e a sustentabilidade rural

1 Modernização, Reconversão e Diversificação das Explorações

1.1 Apoio à instalação de jovens agricultores

1.2 Apoio ao investimento nas explorações agrícolas

1.3 Acções inovadoras de desenvolvimento e melhoria de infra estruturas de suporte ao desenvolvimento da agricultura


2 Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas


3 Desenvolvimento Sustentável das Florestas

3.1 Apoio à Sivicultura

3.2 Restabelecimento do Potencial de Produção Silvícola

3.3 Produção de Plantas e Sementes

3.4 Colheita, Transformação e Comercialização de Cortiça

3.5 Exploração Florestal, Comercialização e Transformação de Material Lenhoso e Gema de Pinheiro

3.6 Promoção de novos Mercados e Qualificação dos Produtos Florestais


4 Gestão de Infraestruturas Hidro-Agrícolas


5 Prevenção e Restabelecimento do Potencial de Produção Agrícola


6 Engenharia Financeira



Eixo 2
Reforçar o potencial humano e os serviços à agricultura e zonas rurais


7. Formação Profissional

7.1 Qualificação e Reorientação Profissional

7.2 Formação de Formadores e Quadros Técnicos

7.3 Sistemas de Informação


8 Desenvolvimento Tecnológico e Demonstração

8.1 Desenvolvimento Experimental e Demonstração

8.2 Redução do Risco e dos Impactes Ambientais na Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos


9 Infraestruturas Formativas e Tecnológicas


9.1 Infraestruturas e Equipamentos de Desenvolvimento Tecnológico e Experimentação

9.2 Requalificação das Estruturas Formativas



10 Serviços Agro-Rurais Especializados



11 Assistência Técnica FEOGA-Orientação



12 Assistência Técnica FSE



13 Assistência Técnica FEDER




Topo




Quadrado Espaço Financiamento
  Espaço Linha
Espaço Espaço


Unidade: 1000 Euros
PO AGRO
Custo
Total
Despesa Pública Financ.
Privado
Total Despesa Pública Fundos Comunitários Recursos Nacionais
1 = 2+5 2 = 3+4 3 4 5
Total 3.785.033 1.956.344 1.349.044 607.300 1.828.689
Total FEDER 32.638 31.313 23.485 7.828 1.325
Total FSE 135.490 134.726 101.045 33.682 764
Total FEOGA-O 3.616.905 1.790.305 1.224.514 565.790 1.826.600
Eixo Prioritário 1 3.476.201 1.675.237 1.138.214 537.024 1.800.964
Total FEOGA-O 3.454.201 1.653.237 1.123.214 530.024 1.800.964
Eixo Prioritário 2 277.066 249.341 187.005 62.335 27.725
Total FEDER 31.954 30.629 22.972 7.657 1.325
Total FSE 132.713 131.949 98.962 32.987 764
Total FEOGA-O 112.397 86.761 65.071 21.690 25.636
Assistência Técnica 31.766 31.766 23.825 7.941 0
Total FEDER 28.305 28.305 21.229 7.076 0
Total FSE 2.777 2.777 2.083 694 0
Total FEOGA-O 684 684 513 171 0


Topo


Ministério do Ambiente, do Ordenamento
do Território e do Desenvolvimento Regional
Logótipo do IFDRInstituto Financeiro para o Desenvolvimento Regional, IP Logótipo da Comissão de Gestão do QCA III logótipo União Europeia FEDER
EspaçoSímbolo de Acessibilidade na Web Produção: AftaminaEspaço